É melhor quantidade ou qualidade no marketing de conteúdo?

Multidão de playmobils

Sílvio Crespo

Está aí um velho dilema de quem trabalha com marketing de conteúdo: vale mais a pena investir em quantidade ou em qualidade?

Claro que se os orçamentos fossem ilimitados não haveria dúvida: escolheríamos quantidade e qualidade ao mesmo tempo.

Mas não só os orçamentos são escassos, como as metas de aquisição de clientes costumam ser bem agressivas. O que fazer, então?

DEFINA O SEU OBJETIVO

Para decidir, temos que responder a pergunta mais importante de qualquer estratégia de conteúdo: qual é o seu objetivo?

É gerar o mais leads pelo menor custo? Se for isso, provavelmente investir em quantidade será a melhor opção.  

Mas duvido que este seja o principal objetivo da sua estratégia. O mais provável é que ele seja gerar mais vendas ou mais engajamento com o seu produto (por exemplo, mais uso do seu aplicativo).

Se o objetivo for vendas ou engajamento, e se além disso você quiser encantar os clientes, então será necessário se atentar também à qualidade.

Neste artigo, você vai ver o que é qualidade em marketing de conteúdo e quais as vantagens e desvantagens de optar por quantidade ou qualidade.

 

O QUE É UM CONTEÚDO DE QUALIDADE

Perfume

No marketing, um conteúdo de qualidade é aquele que transforma para melhor a vida do consumidor e ao mesmo tempo o ajuda a caminhar rumo à decisão de compra ou ao “encantamento”.

Existem vários elementos que um conteúdo precisa ter para provocar esse efeito. No caso de empresas da área financeira, um ponto fundamental é a necessidade de cálculos e simulações.

Você precisa mostrar para o cliente quanto dinheiro ele está perdendo ou deixando de ganhar por não utilizar o seu serviço. Essa é uma forma poderosa de transformar a vida dele e aproximá-lo da decisão de compra.

Elementos da qualidade

Veja abaixo alguns elementos que melhoram a qualidade de um conteúdo de educação financeira:

> Cálculos e simulações

> Originalidade / autoralidade

> Clareza nas explicações

> Informações e conceitos corretos

> Aprofundamento no assunto

> Alinhamento aos princípios e à identidade da marca

> Coerência entre título e conteúdo

(Clique em cada um dos itens acima para ver exemplos reais de clientes da SGC Conteúdo.)

Claro que o conteúdo precisa ser bem escrito, ter os parágrafos bem amarrados, seguir uma estrutura de persuasão, usar intertítulos etc. Mas tudo isso é o mínimo.

Os itens listados acima são importantes para quem busca, como disse antes, transformar a vida do lead.

Cheguei a essa lista após pesquisar os principais sites internacionais de content marketing, ouvir o feedback dos meus clientes e entrevistar 12 fintechs diferentes.

Ainda assim, a lista não é exaustiva. No fundo, quem vai dizer se o seu conteúdo tem qualidade não sou seu nem você; é o comportamento do cliente.

 

CONTEÚDO EM GRANDE QUANTIDADE

Multidão de Legos

Antes de entrar nas vantagens e desvantagens, vamos definir o que é uma grande quantidade de conteúdo. Seria um blog post por dia? Dois e-books por mês?

Depende! Quantas personas você tem? De quais informações elas precisam para cumprir a jornada de compra? Seus clientes costumam ter muitas dúvidas ou objeções ao seu produto ou à sua marca?

Cada empresa vai ter respostas diferentes para essas perguntas. Mas se quiser ter uma referência, um estudo da SGC Conteúdo constatou que as 62 fintechs brasileiras que têm blog publicaram, juntas, 369 blog posts somente em novembro de 2016, o que dá uma média de 6 artigos por mês.

Porém, algumas delas publicaram mais de 30 artigos, como o GuiaBolso, enquanto outras postaram apenas um no mês inteiro.  

Agora sim, vamos às vantagens e desvantagens das estratégias que privilegiam a quantidade.

Vantagens de investir em quantidade

> Mais personas. Você poderá atingir diversas personas diferentes, e várias vezes cada uma ao longo da jornada de compra. Assim, você conseguirá testar quais conteúdos funcionam melhor.

> Mais leads. Se tiver uma variedade muito grande de títulos de e-book, você poderá gerar leads com diferentes características e saberá quais são as informações que eles mais estão buscando.

> SEO. Com muito conteúdo, aumentam as chances de seu site ficar bem posicionado em palavras-chave de concorrência baixa ou média. (Se a concorrência for alta é imprescindível ter qualidade.)

Limitações de investir apenas em quantidade

> Dificuldade de se destacar. Volume de conteúdo qualquer empresa pode ter. Se é barato para você, também é para o concorrente, de modo que um neutraliza os esforços do outro e ninguém se destaca.

> Perda de valor. Os conteúdos superficiais e não autorais valem cada vez menos, pois são cada vez mais abundantes. A inteligência artificial já permite produzir, em 1 milissegundo, um resumo de posts sobre um determinado assunto, algo que um ser humano levaria uma hora ou mais.

> Banalização dos adjetivos. Até pouco tempo atrás, bastava escrever “dicas matadoras” ou “guia definitivo” para garantir os seus cliques ou leads. Mas a repetição de títulos cada vez mais espalhafatosos tende a deixar o consumidor insensível a esses artifícios. Os seus adjetivos e advérbios qualquer um pode copiar; o conteúdo de qualidade, não.

 

CONTEÚDO DE QUALIDADE

Elementos da qualidade

Já falamos sobre o que é um conteúdo de qualidade. Agora vamos aos pontos fortes e fracos de uma estratégia que privilegia a qualidade.

Vantagens de investir em qualidade

> Posicionamento. Um conteúdo de qualidade transforma a vida do cliente para melhor. Ele provavelmente vai se lembrar da sua marca e ainda poderá indicá-la aos amigos.

> SEO. Um bom blog post tem mais chance de ficar entre as primeiras posições no Google nas palavras-chave mais disputadas. Se for realmente relevante, o artigo tende a receber links de outros sites, o que é fundamental para os sites de busca. Pesquise uma keyword disputada, como “investir na bolsa de valores”, e verá que as primeiras páginas do ranking oferecem conteúdo de alta qualidade.

> Economia em anúncios. O primeiro resultado de uma busca no Google costuma receber 33% dos cliques. Portanto, a palavra-chave “como investir na bolsa” pode gerar 2.200 acessos por mês ao primeiro site da lista, já que este termo tem 6.600 pesquisas mensais. Para atingir esse tráfego com anúncios, seria necessário investir mais de R$ 10 mil por mês, já que o preço dessa keyword está em aproximadamente R$ 5,39 por clique.

> Mais tempo livre. Se você usa conteúdo terceirizado, já aconteceu de precisar praticamente reescrevê-lo quando ele chega? Quando isso acontece, o tempo que você gasta editando pode obrigar você a adiar suas tarefas de rotina e não conseguir bater as metas dentro do prazo esperado.

Limitações de investir apenas em qualidade

> Escassez de profissionais. Freelancers de qualidade são mais raros no mercado, por isso contratá-los dá mais trabalho e pode ocupar demais o seu tempo. É difícil encontrar pessoas que ao mesmo tempo saibam contar uma história, elaborar simulações financeiras e ainda por cima e entendam de marketing.

> Custo alto. Produzir um conteúdo original e aprofundado exige tempo. Horas de trabalho de profissionais que, como vimos acima, não são tantos no mercado. Por isso, um conteúdo de qualidade costuma ter um custo maior.

 

COMO GARANTIR QUALIDADE A UM CUSTO ACESSÍVEL

Existem várias formas de conseguir um conteúdo de qualidade por um custo acessível. Vou listar três:

1. Buscar colaboradores externos

Algumas pessoas podem aceitar colaborar com o blog da sua empresa em troca de visibilidade. Por exemplo, alguns jornalistas em início de carreira ou empresas que desejam receber um link para o site delas.

Nesse caso, o maior custo vai ser o tempo necessário para montar e gerir uma rede de parceiros, o que inclui pautar as pessoas, editar os textos e manter o relacionamento.

2. Montar equipe interna

Muitas empresas procuram estimular funcionários a escreverem conteúdos para o site. Conseguir a primeira colaboração de uma pessoa até que é tranquilo; o difícil é conseguir a segunda, já que cada profissional tem suas tarefas ou metas.

Outra possibilidade é contratar pessoas especialmente para produzir conteúdo. É uma excelente maneira de garantir materiais de qualidade e publicar com regularidade.

O custo, nesse caso, é o de remunerar profissionais qualificados ou treinar os iniciantes. A desvantagem está na baixa flexibilidade; não é fácil aumentar ou reduzir rapidamente o volume de produção quando se depende de uma equipe interna.

3. Buscar uma agência especializada no seu segmento

Muitas empresas da área financeira me relataram experiências ruins com terceirização de conteúdo. A queixa mais comum é de que os artigos e e-books eram superficiais ou mesmo tinham erros de conceitos.

Isso acontece porque os temas de economia e finanças exigem conhecimentos específicos e fica muito caro, para agências generalistas, manter redatores especializados.

A SGC é especializada em produzir conteúdo sobre educação financeira para ser usado em estratégias de marketing.

Nossa proposta é entregar conteúdo de qualidade, com menor custo e maior flexibilidade do que você teria se montasse uma equipe de redatores dentro da sua empresa.

A Magnetis, uma fintech pioneira em robo-advisor no Brasil, está entre as empresas que aumentaram a produção de conteúdo e mantiveram a qualidade, com ajuda da SGC.

Se você precisa entregar aos seus clientes conteúdo sobre economia e finanças, entre em contato com a gente!  

Caso prefira, receba nossas sugestões de pauta gratuitamente por e-mail. Basta preencher o formulário abaixo.

Esperamos ajudar sua empresa a oferecer conteúdo de qualidade aos seus clientes, na quantidade necessária para cumprir suas metas!


Fale com a sgc conteúdo:


+55 11 2337.9871

contato@sgcconteúdo.com.br

Agência de Conteúdo Digital e Inbound Marketing

SGC Conteúdo | São Paulo – SP